PRIMEIRA VISTA – JUN/JUL 17


Exposição - PRIMEIRA VISTA - Celma Albuquerque

COLETIVA – PRIMEIRA VISTA
JUN/JUL. 17

Alan Fontes e Rafael Zavagli

COLETIVA – PRIMEIRA VISTA
JUN/JUL. 17

6

COLETIVA – PRIMEIRA VISTA
JUN/JUL. 17

7

COLETIVA – PRIMEIRA VISTA
JUN/JUL. 17

8

COLETIVA – PRIMEIRA VISTA
JUN/JUL. 17

13
IMG_7795

COLETIVA – PRIMEIRA VISTA
JUN/JUL. 17

IMG_7760

COLETIVA – PRIMEIRA VISTA
JUN/JUL. 17

IMG_7772

COLETIVA – PRIMEIRA VISTA
JUN/JUL. 17

IMG_7803

COLETIVA – PRIMEIRA VISTA
JUN/JUL. 17

IMG_7809

COLETIVA – PRIMEIRA VISTA
JUN/JUL. 17

IMG_7750

COLETIVA – PRIMEIRA VISTA
JUN/JUL. 17

IMG_7807

PRIMEIRA VISTA

Exposição Coletiva

A Celma Albuquerque Galeria de Arte apresenta a coletiva Primeira Vista, reunindo os artistas   Alan Fontes, Efe Godoy, Gabriela Machado, Isaura Pena, João Castilho, Laura Belém, Leda Catunda, Liliane Dardot, Manuel Carvalho, Mariannita Luzzati, Pedro Motta, Rafael Zavagli e Roberto Bethônico.

A mostra aproxima obras que dialogam com a questão da paisagem em diferentes aspectos.

A curadoria da exposição foi realizada por Flavia Albuquerque que selecionou artistas que fazem parte do time da galeria.

Esta é a segunda mostra, de uma sequência de três, que abordam questões específicas a partir de uma escolha do olhar da galerista.  A primeira, relativa ao corpo, trouxe a questão da ausência, que nas obras se fez maior que a presença.

Já para esta segunda exposição, o tema da paisagem tange as obras através de um recorte da produção dos artistas. São desenhos, aquarelas, colagens, fotografias e pinturas nos quais podemos ou não reconhecer, à primeira vista, uma paisagem. Primeira Vista diz respeito também ao olhar do público, a essa relação particular que se estabelece através da percepção de cada um.  São obras que apresentam uma aproximação com a temática da paisagem, mas que, à uma segunda investida podem ser percebidas por uma outra ótica, isto é, para além daquela apresentada à primeira vista.

À primeira vista refere-se àquilo com o que nos deparamos ou estabelecemos contato, o antes  desconhecido, porém agora, reconhecido. As obras reunidas na exposição dizem respeito a esse desconhecido que nos é familiar apresentado como um conjunto de paisagens camufladas que carregam em si próprias resquícios das múltiplas paisagens internas dos artistas. As obras carregam a vastidão de uma paisagem e remetem ao infinito interno de cada um de nós. As neblinas que cobrem uma paisagem montanhosa ou à beira mar, traduzem uma certa solidão; fragmentos de papel coletados e colados sugerem pequenas montanhas emergindo de uma paisagem quase imperceptível. 

A idéia daquela paisagem perfeita idealizadas em cartões postais ou mesmo imaginadas por muitos de nós, aparecem nesta exposição com a apresentação do leito de um rio, aparentemente tranquilo em uma paisagem bucólica, no entanto, o artista abre caminho para um campo onírico quando insere na imagem, através da manipulação digital, escadas e buracos que dão acesso a outras dimensões espaciais. Fragmentos de plantas e flores trazem o olhar do público para o âmbito da minúcia, um ângulo de visão de quem examina delicadamente aquilo que compõe o todo, a potência do detalhe.

Rios, mares, montanhas, vales, pedras, vegetações, céus, nuvens e neblinas aqui não são somente o que parecem ser à primeira vista, mas sim, um convite para uma viagem que atravessa paisagens que não são somente paisagens. Primeira Vista pode ser a maneira pela qual veremos essas imagens daqui em diante. Não as veremos mais do mesmo modo antes. A primeira vista, ficou para trás.

 Exposição - PRIMEIRA VISTA - Celma Albuquerque