JOÃO ANGELINI


Marco Território n2 - 200 x 140 cm

Marco território n°2, 2022

Pintura à seco: prospecções pictóricas sobre a parede da Galeria Genesco Murta

200 x 140 cm

information about this work informações sobre esta obra
11 x 55 x 15 cm

Tô só observando…n°2, 2020
Gravura sobre pires de ágata, farinha de osso (adubo) e 3 grãos de soja
11 x 55 x 15 cm

information about this work informações sobre esta obra
n8- 11 x 34 x 10 cm

Do que fomos feitos n°8. 2021
Pintura à seco: prospecçõespictóricas sobre entulho de construções
11 x 34 x 10 cm

information about this work informações sobre esta obra

Artista plástico e pesquisador, tem nas questões processuais, nas reflexões dos modos de fazer, limites e convergências de linguagens e técnicas o maior ponto de partida para sua pesquisa, que se desdobra em uma grande variedade de suportes e linguagens. Encontra na vivência periférica, nas relações de poder, nas estratégias de controle, opressão, um tom implícito que permeia essa produção variada.

Morador de Planaltina, cidade histórica/colonial goiana e periferia de Brasília, tem dedicado os gestos a partir do trânsito entre o colonial rural goiano e a modernidade urbana de Brasília. Da aroeira, ossadas, terra vermelha ao concreto, vidro e mármore branco.

Desde 2005 vem expondo e sendo premiado com regularidades com sua produção individual. Prêmio Sesc Convida (2020), Arte Como Respiro – Itaú Cultural (2020), Edital Novas Efervescências – EC Porto Seguro SP (2019), Finalista do CNI – Marcantonio Vilaça (2017), premiado nos Rumos do Itaú Cultural (2014, 2009 e 2006), Bolsa Funarte de Produção (2011) e Anima Mundi (2009) pontuam parte da trajetória desua obra.

Membro do Grupo EmpreZa de Goiânia desde 2008. Período de muita vivência em residências nacionais e internacionais, discussões, produções coletivas e participação em uma série de eventos expressivos como as mostras Carma Ideológico (2021-MAC USP), Caos e Efeito (Itau Cultural-2011), Eu Como Você (MAR-2014), Terra Comunal, Marina Abramovic (2015), Prêmio Marcantônio Vilaça (premiados 2015) e Dark Mofo (Tasmânia – 2016).

Hoje suas obras integram várias coleções privadas e públicas em acervos como Centro Cultural UFG (Goiás), Fundação Rômulo Maiorana (Pará), MAB – Museu de Arte de Brasília, MAR- Museu de Arte do Rio, Pinacoteca do Estado de São Paulo e Coleção Itaú Cultural.