GABRIELA MACHADO – TODAS AS CORES DA ESTRELA – SETEMBRO 19


Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Gabriela Machado - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea

A Celma Albuquerque Galeria de Arte apresenta a partir do dia 12 de setembro a exposição individual da artista Gabriela Machado. A exposição “ Todas as cores da Estrelanarra a passagem de Gabriela Machado do horizonte ao contorno. Após uma temporada de três anos se dedicando a realização de pequenas pinturas, a artista retorna ao grande formato em seu trabalho.

Durante sua última residência artística em Lisboa neste ano, Gabriela diariamente corria no Jardim da Estrela, onde desenvolveu uma relação de observação com um lago situado dentro da praça. O lago, arredondado, alocado dentro da geometria quadrada da praça é o oposto do horizonte marítimo, tão retratado em suas pequenas pinturas anteriores a esta nova série em escala pública.

Gabriela sai, então, do inalcançável horizonte do mar para o contorno palpável e percorrível de um lago dentro de uma praça. O desafio é subverter este contorno: utilizando cores cítricas, a artista busca dar movimento ao que é estático. Se um lago é parado e convidativo, a pintura trabalha em extrapolar o espaço da tela e repelir o mergulho no plácido. Se antes o mar era retratado em escala pequena, manipulável com o pulso, o lago abarca uma escala pública em telas quadradas como praças.

A ocupação do espaço da tela é como essa narrativa se estrutura e que se performa de maneira metalinguística alocando as pinturas no espaço monumental da Galeria Celma Albuquerque, que por sua vez funciona como praça para os lagos cítricos e com tormentas dignas de mares.