RAUL MOURÃO – EVITE ACIDENTES – JUN/JUL 2022


Raul Mourão - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea
Raul Mourão - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea

CRÉDITOS: DIVULGAÇÃO

Raul Mourão - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea

CRÉDITOS: DANIEL MANSUR

Raul Mourão - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea

CRÉDITOS: DANIEL MANSUR

Raul Mourão - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea

CRÉDITOS: DANIEL MANSUR

Raul Mourão - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea

CRÉDITOS: DANIEL MANSUR

Raul Mourão - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea

CRÉDITOS: DANIEL MANSUR

Raul Mourão - Celma Albuquerque Galeria de Arte Contemporânea

RAUL MOURÃO – EVITE ACIDENTES

A Celma Albuquerque anuncia a inauguração da mostra Evite Acidentes, individual do artista carioca Raul Mourão, a partir do dia 02 de junho. A exposição, com curadoria do poeta e professor de literatura Eucanaã Ferraz, reúne mais de cem obras divididas entre esculturas, pinturas, monotipias, desenhos e fotografias realizadas entre 2015 e 2022.
Evite Acidentes traz elementos do cotidiano do artista em seu ateliê para fora de seu ambiente íntimo, ampliando seu universo pessoal e dando uma dimensão maior aos seus projetos e experiências processuais.
Do lado curatorial, Eucanaã Ferraz criou espaços cuidadosamente ordenadores e ordenados, como se houvesse várias exposições em uma só.
O generoso pé-direito da frente da galeria foi aproveitado para dar lugar a uma pintura em grande formato e a duas esculturas cinéticas – ou balanços – também de grande porte.
Um espaço de transição traz pinturas e esculturas de tamanho mais reduzido e desde já vê-se aí a exploração de diferentes escalas, que leva o espectador imediatamente a um terceiro momento expositivo, no qual se reordena o ambiente experimental do ateliê: três mesas de trabalho servem de palco para esculturas de pequeno porte e monotipias. Esses planos horizontais prolongam-se nas paredes com obras que investem sobretudo no uso do papel: pinturas, fotografia, desenhos, com destaque para a série “Janelas”, resultantes de uma pesquisa levada a cabo por Raul Mourão desde 2014.
Adiante, outro momento expositivo traz a série de fotografias Metropiks – To Mr. Walker – uma conversa explícita com o trabalho de Walker Evans, célebre fotógrafo norte-americano que entre 1938 e 1941 fotografou passageiros nos vagões do metrô de Nova York.
Na sequência, a grande pintura que abre a exposição é relida em novas dimensões na série “Setas”, desenvolvida por Raul Mourão desde 1989, em fotografias que registravam as setas de sinalização de obras em ruas de várias cidades, e que desde 2001 ganharam o estatuto de pinturas, com a sinalização agora descontextualizada e livre de função, passando ao estado de geometria bruta.
Cada uma dessas exposições dentro da exposição leva o espectador a vivenciar uma atmosfera própria. “Evite acidentes” realiza, portanto, um diálogo interno entre várias técnicas, suportes, matérias, séries e instala um campo de experiências estimulantes e reveladoras para o espectador.

***
Importante representante de uma geração que marcou o cenário do Rio de Janeiro dos anos 1990, Raul Mourão (1967) é reconhecido por sua produção multimídia, sempre amplamente pautada em uma visão crítica e irônica do espaço urbano e político. Influenciado pelas paisagens e personagens das cidades, o artista produz a partir de análises de seu dia a dia, apresentando obras que transitam entre o documental e a ficção. Construídos com diversos materiais, os trabalhos apresentam um vocabulário plástico com elementos da visualidade urbana deslocados de seu contexto usual.
Professor de literatura, poeta e curador, Eucanaã Ferraz (1961), publicou entre outros, Desassombro (2002, Prêmio Alphonsus de Guimaraens, da Fundação Biblioteca Nacional), Sentimental (2012, Prêmio Portugal Telecom de Melhor Livro de Poesia). Seus livros de poemas publicados até 2016, oito ao todo, foram publicados neste ano em um único volume pela casa da Moeda/Imprensa Nacional de Lisboa. Em 2019, publicou Retratos com erro, no Brasil e em Portugal, simultaneamente, com o qual venceu a primeira edição do Prêmio de Poesia Oeiras/PT. Entre várias curadorias, destacam-se Seta Balanço Janela, Raul Mourão – Lurixs Arte Contemporânea, Rio de Janeiro, 2018; Fayga Ilustradora – Museu Lasar Segall, São Paulo, 2012; Chichico Alkmim, fotógrafo – Palácio das Artes / Fundação Clóvis Salgado, Belo Horizonte, 2018; Constelação Clarice Instituto Moreira Salles, São Paulo, 2018.